Pesquisar este blog

terça-feira, 20 de novembro de 2018

Alma despida...




"Estou finalmente começando a compreender que Gratidão nada tem a ver com as coisas serem ou não como gostaríamos que elas fossem. Gratidão é simplesmente valorizar e amar a liberdade de tudo que nós podemos ser N´ele."

By | Fabiana Miranda

sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Pensamentos Soltos...




"Às vezes nós só precisávamos ter, para entender que nem tudo nos faz falta."


quinta-feira, 30 de agosto de 2018

Por dentro...



"Sejamos nós a melhor versão de nós mesmos, e tudo mais será trivial diante do que há em nossa bagagem." 


By- Fabiana Miranda.

segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Gritos Silenciosos



Nós dizemos:
Eu sou igreja, a igreja de Cristo! Uau; como me orgulho e me alegro disso!

A criação gemendo, clamando em sua sangrenta dor diz:
E quem sou eu? Ah, eu sou um dos pequeninos o qual o mundo não consegue enxergar, e muitos fingem que não vê. Eu sou o grito Silencioso de uma alma doente, carente de um amor que nunca me foi compartilhado, sou uma vida que também sabe amar, mas que a igreja aprendeu dura e friamente ignorar. Também penso que sou um miserável aos quais poucos, ou ninguém mais enxerga; afinal minhas feridas cobrem o meu corpo de tal forma que me tornei um andarilho invisível, intocável por uma “igreja, seletiva e desumana.” Sinto que sou um daqueles que muitos chamam de ”Os perdidos, Sem Jesus.” Sou mesmo um perdido, porém quase encontrado. Sou um coração que bate dentro de um corpo e chama por um nome que ainda não me foi apresentado. Sou um faminto pelo pão que você tem com tanta fartura; o pão que mata sua fome, mas ainda sim o vejo sempre insatisfeito após alimenta-se. Sou um sedento da água limpa que mata sua sede, mas por seu puro egoísmo essa água passa longe de minha garganta. Eu sou um coração que bate sem Jesus, por que seus lábios covardes e medrosos têm se calado.

Eu sou uma generosa porção dos que se encontram perdidos num caminho de pedras e espinhos. Eu faço parte dos excluídos- Pois em meus dias de choro e dor, minha alma anseia por ouvir do coração D´ele, ouvir a canção que vem D´ele, mas você nunca o apresentou a mim dizendo que Ele era tudo o que eu realmente precisava! Eu sou a dor que não conhece outra coisa se não as lágrimas como minha companheira. E sou apenas um pequeno desconhecido que de longe ouve rumores de um grande Deus. Tristemente eu percebo que sou aquele que ainda anseia e espera para que você "igreja"me apresente Jesus, o seu Jesus, e o único capaz de libertar-me de um esmagador, desgastante e ameaçador confronto entre minha carne e espírito, entre o bem e o mal que habita em mim.

Sou uma extensa parte de um povo, de uma raça, de uma nação desconhecida; que tem sido deixada para trás por conta de uma Igreja que se acomodou em seu confortante berço de ouro, enquanto meus ossos se congelam sobre noites frias e sem vida.

 “Podemos ser propagadores do Amor Incondicional de Deus, ou apenas seres comuns e miseráveis que sobrevivem para comer das migalhas que os Eleitos deixam cair de sua mesa farta.”

By- Fabiana Miranda.

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Traços de Minh'alma


“A riqueza que há em apenas Ouvir-Trás um tipo de Cura a nossa alma que nós jamais encontraríamos em nosso muito falar.” 

By- Fabiana Miranda.

sábado, 21 de julho de 2018

Coração em chamas...














"Igreja não é um lugar para ser adaptável a nós. A igreja somos nós! Filhos manifestando a presença do Pai que flui de maneira natural, em todo tempo, hora e lugar; e como fogo que queima, Ele governa todo ambiente. Sendo assim, os confrontos, a libertação, a cura e a comunhão nos levarão a uma atmosfera de arrependimento, rendição e total liberdade no Espírito."

By- Fabiana Miranda.

segunda-feira, 7 de maio de 2018

Noiva x Prostituta



Oséias- 2
Quem de nós poderá dizer que nunca se prostitui? Qual de nós pode livre e ingenuamente atirar a primeira pedra? Ou dizer que nunca fomos tentados a nos inclinar a pecados horrendos para satisfazer nossos desejos e prazeres egoístas vindos de uma mente pervertida e descontrolada. Sim, somos tudo isso e muito mais sem a presença de um Deus que literalmente, indescritivelmente nos ama, nos perdoa todos os dias e nos refaz a cada nova manhã. Tudo que fazemos, cobiçamos ou tocamos se é de natureza contrária ao que há no coração do Pai, então estamos nos prostituindo com essas coisas, pois se prostituir vai muito além do ato de vender o próprio corpo por dinheiro.

“Ás vezes somos o odor que nem mesmo nossas narinas suportam.”


Agimos como hipócritas quando o que mais sabemos fazer é apontar para os erros dos outros com cara de espanto e horror ao olharmos para a obscuridade de seus pecados que no fim é tão feio e imundo quanto o nosso, onde eles se diferem apenas pela singularidade dos frutos colhidos. Vergonhosamente adotamos dentro de nós o péssimo e doentio hábito de pontuar, medir pecado por suas consequências, como se isso tornasse o nosso menos depressível aos olhos do único que pode perdoar julgar e nos absorver de cada um deles. Quando cedemos às exigências descabidas de nossa carne, nos tornamos como feras e somos capazes até mesmo de distorcer valores para justificar nossos comportamentos mais insanos.

Contudo, precisamos compreender que nós fomos criados, moldados e chamados para sermos santos, e assim nos comportarmos como tal. Somos a obra mais perfeita do Criador, somos alvo dos incontáveis livramentos e milagres de um Deus que nunca desistirá de nos ensinar o que tanto precisamos aprender. O Abba anseia por nos cobrir de vestes novas, perfumadas, tão brancas quanto á neve; somos a expressão exata de um incondicional e perfeito Amor de Redenção.

Ele nos chama de sua noiva, encantadora, delicadamente adornada, ardentemente desejada! Uau, o que poderia ser mais atraente e fascinante que isso? Absolutamente nada! E assim o Pai nos convida a sermos livres, não mais escravos do pecado, porém libertos das coisas dessa terra que incansavelmente nos aprisiona, suga toda nossa energia e nos sufoca enquanto sentimos nossa mente e corpo se definharem para um miserável fim. É preciso se lembrar de que nós somos cidadãos do céu, de um único reino e só estamos aqui de passagem. É tempo de se desprender, amadurecer, nos curar, de conhecer e assumir nossa verdadeira identidade Nele. Tempo de sermos apenas o filho que se permite ser amado pelo Pai. É chegado um novo e propício tempo na vida de todos aqueles que estão dispostos a renunciar suas vontades para viver o genuíno evangelho de Cristo, tomar sua cruz e segui-lo. Devemos pedir perdão ao Senhor, nos arrepender de nossa incredulidade, para que aprendamos andar por Fé não por vista, confiando cegamente ao nos entregarmos sem reservas dependendo somente D´ele, de nada ou ninguém mais.

Não podemos nos permitir sermos corrompidos, pressionados por cobranças, influência de um sistema religioso já quase em ruínas, decaído por perder o foco de sua missão dentro do Cristianismo, onde infelizmente grande parte aprendeu a Usar pessoas e Valorizar coisas, ou muito menos sermos coniventes com uma sociedade que impõe regras que ela mesma ignora, desacredita e não sustenta. Nossa geração irá sucumbir até a morte por que nós como igreja ainda não aprendemos a discipular pessoas, não forjamos guerreiros pela palavra de Deus liberada que é viva e eficaz, nós apenas treinamos soldados que agem como meninos, sendo fracos, dependentes emocional e espiritualmente uns dos outros e medrosos por nunca serem expostos a realidades que realmente confronta, ensina e transforma.

“É tempo de amadurecermos como verdadeiros cristãos, ou viveremos na superficialidade de um evangelho raso, mesmo estando a um passo de mergulhar os pés em águas profundas.”

Sejamos guiados pelo Espirito de Deus, não por meros seres mortais, sentimentos, emoções ou obras da carne. É tempo de confessar, assumir nossas fraquezas, limitações e fragilidades não para sermos envergonhados, amedrontados ou convivermos com elas, mas para que sejamos sarados pelo sangue de Cristo Jesus que nos santifica e nos purifica de todo pecado. É tempo de olharmos com olhos de amor e verdade para aquele que é diferente de nós, e nunca melhor ou pior, deixar que o espirito de empatia nos permita ser solidários tendo compaixão a dor do nosso semelhante. É tempo de seguir nosso destino, avançando em nossa jornada para o cumprimento do propósito que o Pai já estabeleceu para cada um de nós.

Somos sua noiva imaculada, noiva santificada que se adorna e se prepara para o dia do grande encontro. Não importa o lugar onde nossos pés já pisaram, ou as muitas cicatrizes que o mundo nos deixou, hoje o Senhor nos chama apenas para sermos D´ele sem medo, explicações ou justificativas. Sejamos nós apenas o fruto de um coração arrependido, contrito, liberto e totalmente rendido. Quero eu Pai, me lançar me prostrar diante do seu amor, de sua presença que para mim é mais real e palpável que os ossos e carne que cobrem meu próprio corpo. Quero me deixar ser descoberta nua diante dos muitos anseios de minha alma sabendo que ninguém nunca poderá satisfazê-la se não você que soprou sobre minhas narinas o fôlego de vida. Vem, vem pra mim Abba, dono do meu ser, guardião dos meus anseios; serei eu eternamente sua! Ontem você já me amava quando eu ainda informe repousava no ventre da minha mãe, hoje você me ama ainda mais e amanhã eu sei, como sempre permanecerá me amando.

No entanto, sabemos que os dias são maus, o tempo está se findando, tenhamos eu e você presa em ouvir e nos submeter à vontade de Cristo para que toda terra, língua, povos e raça o conheça e confesse que só o Senhor é Deus. Sejamos conscientes de que nós temos duas escolhas, podemos continuar desfrutando das delicias de uma mesa bem posta, satisfazendo nossos desejos e luxúrias, disfarçada por uma elegante aparência, ou assumir nossa posição de noiva apaixonada que se rende lançando-se nos braços do noivo que todos os dias nos chama para dançar e sara as feridas que o nosso corpo sangrento carrega.

“Nunca julgue um coração no qual seus olhos jamais serão capazes de conhecer a profundidade, pois há muita riqueza encoberta entre os tecidos surrados e nem toda prostituta se veste como uma.”

...

By- Fabiana Miranda.