Pesquisar este blog

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Lágrimas de uma realidade


Tantos são os motivos pelo qual choramos, lamentamos, dizemos não mais conseguir, então nos desesperamos e pensamos que tudo que existe de pior acontece conosco. E digo: Deus, como pode me permitir passar por algo assim? Sinto como se não me amasse, ou se ama, penso que está me castigando por minha desobediência e tolices. Somos assim, sempre perguntando algo quando não encontramos respostas. Magoamo-nos e nos frustramos quando nos sentimos injustiçados. Pensamos até em coisas que jamais imaginávamos ser capazes de sentir. Confesso que não entendo uma série de situações que vivo em meu dia a dia, e sei que na maioria delas sou a responsável, pois não sou do tipo covarde que faz um monte de coisa errada, enfia os pés pelas mãos, e ao final de tudo transfiro a outros minhas responsabilidades. Não mesmo! Mas, em se tratando de Deus, por vezes tenho que dizer, eu fico chateada com Ele! Sei que não mereço, e ainda sim suas misericórdias me alcançam todos os dias. Mas quando olho pra tantas coisas ao meu redor, e percebo que existem pessoas que cometem erros absurdos, dai logo falo com Deus assim: Ah pai, sei que sou muito falha, mas venhamos e convenhamos, tem gente bem pior que eu! Como se as coisas com Deus funcionasse assim. E continuo meu dialogo...

O Senhor conhece a filha que têm, sabe que sou fraca, toda complicada em certas ocasiões, e se tratando de alguns assuntos em especifico, piorou, sou péssima pra resolver. E tem mais, sei que depois vou me entristecer me arrepender, reclamar, o que de nada adiantará, e ao final de tudo onde é que vou chorar as magoas? No teu colo papai, então por que não me impediu de fazer tanta besteira? Assim somos nós, ingratos com o Senhor o tempo todo. Hora agradecemos, hora reclamamos, há dias em que estamos felizes, outros queremos morrer. Mas tudo isso é fruto de nossas atitudes e comportamentos ao longo de nossa caminhada. É possível sim, meu querido, enxergar o melhor de Deus se dentro de nós ainda brota a semente da Esperança. Mesmo quando achamos que as coisas não vão acontecer, quando o choro, a raiva, o cansaço, o sentimento de fracasso, o medo, mesmo quando tudo isso se mistura dentro de nós formando sentimentos que nós mesmos desconhecemos, eu creio que ainda sim o Espirito Santo está intercedendo e olha do por nós, e traduz esses sentimentos os levando ao coração de Deus trazendo conforto a nosso Espirito inquieto. Mas é preciso aprender a ter paciência. O Senhor nos anima em sua preciosa palavra e diz:


“O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã.”
Salmo 30:5 b.”

Ao olhar para uma cena como essa da foto acima, é impossível não se arrepender e perceber o quanto somos egoístas pensando que somos os maiores sofredores dessa terra. A vida é Deus quem dá, e somente Ele pode tirar. Quando olho pra algo assim, percebo que não tenho problemas, e que minhas lágrimas doem, mas nada se compara as lágrimas de quem vive essa realidade todos os dias. Reconheço que em muitas de minhas reclamações com Deus não tenho razão, mas Ele é pai, me ouve mesmo assim, sei que por vezes acabo me comportando como uma criança mimada. Amadurecer envolve muitas coisas. A cada dia que se passa eu percebo que, ser independente financeiramente, ter uma condição estável, ser maior de idade, e já ter vivido e passado por algumas experiências não significa necessariamente ter maturidade.

“Acredito que maturidade se conquista com escolhas acertadas ou não, mas acima de tudo, a maturidade se manifesta quando se tem coragem para assumir toda e qualquer consequência que vier dela, seja essa boa ou ruim.”

Contudo, o mais importante é não nos esquecermos de que, independente do que esteja a nossa volta, independente de toda e qualquer situação, o nosso Deus não muda, Ele não depende de nada e ninguém pra manifestar o seu poder. Sejamos firmes e constantes, pois Jesus deu sua vida por mim, por você. E mesmo não sendo nós merecedores, ainda sim o Senhor nos ama, e sabe que todos os seus filhos de alguma forma choram Lágrimas de uma realidade.